Music Branding: como criar playlists que vão além da música ambiente da sua loja

 

 

Aprenda a criar um projeto de Music Branding que vai além da música ambiente para lojas

 

As preferências musicais revelam muito sobre a personalidade humana. Afinal, usamos a música para transmitir informações sobre nós mesmos, mas também para ler informações dos outros.

 

Essa grande importância dada ao gosto e às preferências musicais significa que as marcas também podem se utilizar disso para se conectar com seu público através da sua própria identidade musical, fazendo com que a música seja parte importante do seu projeto de branding.

 

Em um momento onde as marcas se tornam cada vez mais comoditizadas, criar uma forte conexão através da identidade musical pode ser o diferencial para que o cliente se sinta representado e escolha que produto consumir.

 

Para conectar a identidade da marca com a trilha sonora, desenvolvemos uma metodologia exclusiva de Music Branding que é referência no Brasil e nos permite ter uma visão 360º do universo musical da marca.

 

Dessa forma, desenvolvemos um manual de identidade musical para nossos clientes, além de entregarmos uma estratégia de music branding muito mais completa - que muitas vezes começa na criação da playlist de música ambiente para a loja mas não se limita apenas a isso. 

 

[music branding 360º - case Youcom]

 

A seguir, explicamos em detalhes como funciona nossa metodologia e como aplicá-la para criar o Music Branding da sua marca :)

 

Pesquisa Musical x Curadoria Musical

 

O primeiro passo de um projeto de Music Branding é entender que pesquisa musical é diferente de curadoria musical para marcas.

 

Nossa pesquisa começa bem antes de a gente saber quem é o cliente para o qual estamos fazendo a curadoria musical. 

 

Pesquisa é o que a gente faz todo dia. São as referências, descobertas e músicas que pesquisamos o tempo inteiro.

 

Curadoria é a evolução da pesquisa diária: é o processo de escolher dentro da sua pesquisa macro as músicas que combinam com o univer so cliente e que fazem sentido inserir na playlist musical da marca.

 

Playlist ideal x Playlist que funciona

 

É preciso entender o ponto de venda como um espaço de experiências, com suas particularidades em relação ao contexto sócio-cultural de onde está localizado, perfil de público que frequenta, mix de produtos, época do ano e até mesmo a diferença de sensações que queremos despertar ao longo do dia. 

 

Por isso, muitas vezes a playlist que achamos ideal não funciona no dia a dia da loja.

 

Pegue como exemplo uma seleção de músicas com uma batida mais lenta e que combinam com a essência da marca. Elas podem funcionar muito bem em uma playlist conceito no Spotify da marca, mas na loja irão soar extremamente entendiantes como playlist de música ambiente

 

Para entender todas as nuances que podem impactar a experiência da loja, é essencial conversar com o time de gerentes e vendedores. Esse papo tem como principais objetivos:

 

• descobrir o ritmo da loja: qual o tempo de permanência médio de uma compra? os clientes já chegam sabendo o que querem ou gostam de experimentar? 

• definir horários de pico: quando a loja precisa tocar músicas mais agitadas, mais calmas, etc. 

 

Além disso, os vendedores têm uma ótima percepção sobre quem é a persona da marca.

 

Quando possível, converse também com os clientes para entender os seus gostos e a forma como se relacionam com música no dia a dia. 

Dessas conversas, sempre saem insights maravilhosos sobre o que acreditam que funciona na loja, o que gostariam de ouvir e como gostariam de se sentir na durante as compras.

 

E o mais importante: essas informações são fundamentais para montar uma estratégia de music branding que vá além do ponto de venda.

 

Diagrama de Afinidades

 

Depois de aprofundar no conhecimento sobre a marca, o público, o dia a dia das lojas e o universo musical da marca, a próxima etapa para desenhar um projeto de music branding é fazer o download das informações.

 

Aqui no Bananas Music, costumamos escrever as principais palavras e conceitos que surgiram nas respostas do papo com os vendedores e clientes, anotações da reunião com o marketing e agência, pesquisas de branding, benchmarking e concorrência e as agrupamos em um Diagrama de Afinidades.

 

Com base nos conceitos de afinidade, similaridade, dependência ou proximidade, geramos um mapa que nos ajuda a identificar conexões entre temas relevantes para a definição da identidade musical da marca.

 

Mood Maps

 

Para compreender melhor o que estamos descobrindo ao longo de todo esse processo e desenhar a "atmosfera musical" da marca, jogamos insights, verbalizações, anotações, palavras-chave, nomes de artistas, referências e tudo que conseguimos juntar até agora sobre o universo da marca em dois mood maps essenciais para a construção do será o Music Branding da empresa. 

 

1) Miller Mood Map

 

O Miller Mood Map é uma matriz que dividimos em 2 eixos: Energia [Calmo/Energético] e Humor [Obscuro/Ensolarado], onde são colocados todos os tipos de inputs, tags, palavras, músicas e imagens que irão nortear a criação dos moods/playlists da marca.

 

• • • 

 

2) Equilibrium Mood Map

 

O Equilibrium Mood Map é também uma matriz com 2 eixos dividida entre Tempo [Novidades/Clássicos] e Popularidade [Popular/Desconhecido], onde colocamos o maior número de artistas para conseguir encontrar o equilíbrio ideal para a playlist de acordo com as necessidades do cliente.

 

Esse mapa também ajuda a evitar que a playlist fique com alguma predominância indesejada de músicas muito conhecidas/desconhecidas ou músicas muito velhas/novidades.

 

• • • 

 

Estéticas sonoras predominantes

 

Desenhada a "atmosfera musical" que queremos criar para marca, é importante selecionar ao menos 4 estéticas sonoras que irão predominar na identidade musical do cliente e, principalmente, na criação das playlists de música ambiente para loja e para o Spotify da marca. 

 

Dentro destas estéticas, identifique os 10 principais artistas e suas conexões para compor o espectro musical da marca.

 

Esse top 10 é um guia que deve estar em constante revisão de acordo com os lançamentos e a relevância dos artistas na cena musical atual.

 

• • • 

 

Música ambiente sem repetição

 

Depois de agrupar e organizar todas as informações, você deve voltar à curadoria musical munidos de inspiração (e informação) para criar uma playlist de, no mínimo, 50 horas.

 

Pode parecer um número mágico, mas as 50 horas de música surgiram depois de muitos estudos, teste A/B através do Bananas Player e, principalmente, feedback dos vendedores que passam a maior parte do dia dentro dos estabelecimentos comerciais. 

 

• • • 

 

Apresentação do Music Branding

 

Com a playlist finalizada, é preciso colocar em uma apresentação todo o processo de criação e os insights que surgiram durante o agrupamento das informações para a criação da playlist.

 

Para facilitar a visualização, criamos um framework de apresentação que chamamos de Music Map. Esse modelo traz informações simplificadas sobre o que identificamos, verbalizações, diagrama de afinidades, Miller Mood Map (Blocos Musicais), estéticas sonoras, top 10 artistas e conexões e até mesmo o horário em que cada playlist de música ambiente irá tocar na loja. 

 

metodologia music branding | bananas music branding

 

• • • 

 

Ferramentas de Music Branding

 

Além da bagagem cultural e conhecimento, frutos da pesquisa musical diária, existem algumas ferramentas que podem facilitar o processo de criação de playlists para marcas e tornar o music branding ainda mais valioso. 

 

A Emely Jensen, nossa head de curadoria musical aqui no Bananas Music, reuniu em um texto 10 dicas e ferramentas para criar uma playlist perfeita no Spotify e no ponto de venda.

 

• • • 

 

Agora você sabe o que é (e como fazer) Music Branding

 

Quem achava que Music Branding é basicamente escolher algumas músicas que a gente gosta, jogar numa playlist e partir pro abraço, agora viu que o processo é um pouco mais complexo que isso, né? :)

 

É claro que estamos aqui por causa da paixão pela música, mas é preciso dedicar um bom tempo também para entender e desenvolver a conexão que essas músicas tem com a marca e o impacto disso no dia a dia dos nossos clientes.

 

Afinal, Music Branding não é só música ambiente.

 

Music Branding é uma estratégia de marketing sensorial que usa a música para traduzir em experiência as associações e atributos presentes na identidade da marca

 

Esperamos que esse texto tenha ajudado a entender um pouco melhor como funciona um projeto de criação de identidade sonora e curadoria musical para marcas.

 

Se quiser um Music Branding exclusivo para sua marca,  envie um e-mail para o nosso time ;)